O Saque ao Funchal em 1566 e as suas Repercussões no Reinado de D. Sebastião

  • António Brehm
  • Cristina Trindade

Resumo

Em 1566 um evento terrível ocorreu na Madeira, com uma incursão por um bando de piratas capitaneados pelo francês Peyrot de Monluc. É talvez o único evento significativo relacionado com pirataria no arquipélago, o qual era, de resto, sobejamente conhecido por alguns dos mais famosos piratas e corsários, berberescos ou europeus. Apesar de Monluc ter morrido na investida, os seus companheiros realizaram um saque generalizado no Funchal, tendo depois zarpado incólumes. A investida à Madeira teve o apoio de pilotos portugueses, os quais viriam anos mais tarde a ser capturados e justiçados. Na sequência deste evento, é enviada uma frota para ir no encalço dos piratas que, ao chegar ao Funchal, acabou por realizar um saque quase tão grave quanto o perpetrado pelos piratas. A corte portuguesa haveria nos anos seguintes de pedir reparações a França pelo sucedido, sem nunca ter sido ressarcida. D. Sebastião, pouco desejoso de contrair matrimónio com Margarida de Valois, irmã do rei de França, haveria de usar o saque do Funchal e a falta de reparações por parte de França para declinar qualquer conversação relativa ao projetado matrimónio.


Palavras-chave

Madeira; Piratas; Peyrot de Monluc; D. Sebastião.

Publicado
2020-10-06
Edição
Secção
Artigos / Ensaios