A Emigração de Água de Pena e a sua Antroponímia nos Livros de Passaportes do Governo Civil do Funchal de 1955 a 1970

  • Naidea Nunes Nunes

Resumo

No período de 1955 a 1970, os anos de 1957, 1964, 1969 e 1970 são os que registam maior número de passaportes concedidos a residentes na freguesia de Água de Pena, sobretudo do concelho de Machico. Em 1957, o destino de emigração mais procurado é o Brasil, seguido da Venezuela. No ano de 1964, a grande procura é o embarque para a Venezuela, que se mantém em 1969, embora com decréscimo. Enquanto, em 1970, o destino mais procurado é a Inglaterra, seguido da Venezuela, com grande redução. Assim, no período estudado, foram concedidos 243 passaportes para a Venezuela, 125 para o Brasil e, a partir de 1970, a Inglaterra surge como novo destino de emigração, com 77 passaportes atribuídos. Os registos de passaportes do Governo Civil do Funchal permitem conhecer os nomes próprios e os nomes de família dos migrantes, observando a frequência de prenomes como Beatriz, João, José, Maria e Manuel. Assistimos a uma diversificação destes com o passar do tempo, a par da tendência para a formação de prenomes compostos por dois nomes, como João Manuel e Maria José. Quanto aos nomes de família, predominam as formas Freitas, Nunes, Pereira e Vieira, assim como as composições Freitas Branco e Fernandes Belo, entre outras. Encontramos algumas alcunhas que já são nomes de família, como Bisca, e mesmo um nome de profissão, Carregador.


Palavras-chave

Emigração; Água de Pena; Ilha da Madeira; Livros de Passaportes; Governo Civil do Funchal, 1955-1970; Antroponímia.

Publicado
2019-06-06
Edição
Secção
Artigos / Ensaios